sábado, 1 de maio de 2010

Exorcismos na Igreja Católica


Minha filha está possuída pelo demônio há vários anos. Outro dia, fui numa missa de preparação para a Crisma. O comentarista explicou que naquela celebração haveria a oração do exorcismo. Fiquei muito feliz e na hora, coloquei minha filha de joelhos, pensando que esta oração a libertaria das forças do encardido. Ela continua a ter reações estranhas, engrossando a voz na hora em que está nervosa. Quebra objetos, range os dentes e até ataca as pessoas a socos e arranhões. Já procurei um psicólogo, mas me parece que só quer dinheiro e não está resolvendo o problema dela. Soube, assistindo a filmes, que na Igreja sempre houve exorcismo. Gostaria de saber se há uma solução para o problema da minha filha na Igreja Católica.
A palavra exorcismo, do grego exorkismós, significa o ato de fazer jurar, através do ritual executado por uma pessoa devidamente autorizada para expulsar espíritos malignos (ou demônios) de outra pessoa que se encontre num estado considerado de possessão demoníaca. Pode significar também o ato de expulsar demônios por intermédio de rezas e esconjuros (imprecações).

Na história da Igreja, era muito comum a prática do exorcismo. As curas e os exorcismos passaram a ser reconhecidos na Igreja através do Ritual Romano, que reuniu, mais tarde, os diversos ritos de exorcismos para situações variadas. Também as igrejas reformadas estabeleceram tais ritos. Com o avanço das ciências, porém, a Igreja foi aos poucos percebendo que esta prática somente pode ser efetuada, caso os recursos da psicologia e da psiquiatria se esgotem. Já não acontece o mesmo em outras Igrejas ou denominações cristãs, que usam desta prática como sessões de descarrego ou do corredor do sal.

Do ponto de vista teológico e jurídico, a palavra exorcismo não pode ser usada apenas no singular, porque é configurada nos vários rituais, expressando as várias finalidades, conforme os desmembramentos que seguem:

1) No passado, o candidato às ordens sagradas tornava-se clérigo, ao ser investido nas ordens menores de leitor, acólito, hostiário e exorcista. A seguir, era investido nas ordens maiores (subdiaconato, diaconato, presbiterado e episcopado). As ordens menores, porém, foram abolidas em 1972, pelo Papa Paulo VI. Antes disso, o exorcista recebia este poder de realizar exorcismos sobre pessoas ou coisas, o que hoje é reservado apenas aos sacerdotes;
2) No RICA (Ritual da Iniciação Cristã de Adultos) são previstos vários exorcismos em etapas distintas, onde se inserem orações de exorcismos sobre os catecúmenos, tais como: Primeiros exorcismos (n. 113); Primeiro Escrutínio (n. 164); Segundo Escrutínio (n. 171); Terceiro Escrutínio (n. 178). Esta prática é oficialmente reconhecida na Igreja, proveniente da piedade popular e de práticas ascéticas, que visam prevenir contra as influências do mal em suas vidas, bem como distanciar-lhes das tentações do espírito do mal. As orações são proferidas pelo presidente da celebração, que pode ser um bispo, um sacerdote, um diácono ou na ausência deles, uma catequista;
3) Na atual configuração jurídica da Igreja, ninguém pode legitimamente fazer exorcismos em possessos, a não ser que tenha obtido licença peculiar e expressa do Ordinário local (Bispo). São requisitos para a obtenção da licença: que seja presbítero distinto pela piedade, ciência, prudência e integridade de vida (can. 1172).

A normativa da Igreja é muito clara, quando distingue entre exorcismos (catecumenato) e exorcismo em possessos. Nesta última categoria, se não houver a licença, torna-se ilegítima a ação do exorcista. A Igreja é muito prudente quando determina estas normas, justamente para evitar práticas de charlatanismo ou ainda, para evitar certas práticas que seriam desnecessárias, quando se trata de problemas de ordem psicológica ou psiquiátrica. Por isso, releva-se que presbítero deva ser versado nas ciências (filosofia, teologia, noções de psicologia, psiquiatria) e que seja distinto na sua vida de piedade e integridade.

Outra distinção que merece destaque é o endereço do cânon 1172, ou seja, quando se trata de pessoas possessas. Por conseguinte, estão excluídas deste exorcismo as pessoas que não são possessas, os lugares, as coisas e os animais. Para outras finalidades, existem bênçãos próprias, de acordo com o Ritual das Bênçãos, aprovado pela Igreja.

Diante do exposto, em conformidade ao caso em tela, eis alguns encaminhamentos à guisa de conclusões:

1) Quando aparecem casos como este, procurar ouvir atentamente a pessoa e a sua história, bem como o encaminhamento anterior, na expectativa da descoberta do verdadeiro problema. Pode acontecer, por exemplo, que se trate de um simples trauma de sua vida, que possa ser resolvido com a ajuda das ciências, sem necessariamente haver necessidade de exorcizá-la;

2) Se o problema levantado ultrapassar a esfera das ciências, não se aconselha nenhum sacerdote a fazer sessões de exorcismo, mesmo que seja em particular, porque isso pode desencadear em seqüelas que ultrapassem a sua alçada. Muitos foram os exemplos na Igreja Católica, que comprovam as feridas provocadas: atos de violência física contra o sacerdote, falta de domínio dessas forças ou até traumas provocados, que dificilmente serão apagados nestes cenários humanos. Diante disso, a tentativa de ajuda foi inútil e desastrosa, tanto para a pessoa, quanto para o ministro;

3) Na maioria das dioceses, existem sacerdotes delegados pelo Bispo para atender os casos de exorcismos em possessos. Tais sacerdotes, além de serem ministros oficiais do exorcismo, se o fizerem, usam o Ritual do Exorcismo da Igreja, evitando-se assim práticas ilegais e em desacordo com as orientações da Igreja Católica.

Portanto, aconselhamos os nossos irmãos no presbitério a serem muito prudentes nesta seara e, em caso de dúvida, encaminhem os casos aos sacerdotes delegados para esta finalidade. E ao povo de Deus, que bem distingam cada caso, para não exigir da Igreja aquilo que a Igreja não está em condições de oferecer, ou seja, acompanhamento e cura de pessoas que poderiam tranquilamente ser encaminhadas a outros rincões.

9 comentários:

Anônimo disse...

Muito boa esta esplicação, sempre tive interesse. obrigado e tudo de bom.

JP disse...

Olá Frei!Estava pesquisando sobre gêmeos e encontrei seu blog. Moro na capital de São Paulo e sou gêmea bivitelina. Criei um blog somente para falar sobre o universo gemelar. Estou reunindo histórias de gêmeos e familiares para postar. Vale ressaltar que todos os textos são postados com os devidos créditos. Gostaria de participar? Acesse o blog e entre em contato por favor. Grata, Jê.
e-mail: jemimapompeu@gmail.com
http://www.vizinhosdeutero.blogspot.com

monalisa disse...

Oi meu nome è mona lisa; vi varios filmes de pocesâo e eu creio que atravès de fê Jesus cura e salva .Àqueles que crê nele serà salvo.Fui usuàris de drogas por 10 anos ; e eu asseitei Jesus na minha vida. Quando o diabo quer nossa alma; ele nÒs fais escravos.

Israel Tarcillo disse...

eu queria saber se diáconos podem realizar exorcismos?
se puderem como faço pra me tornar um? meu nome é Israel Tarcillo, tenho 15 anos e queria saber como me tornar exorcista.

Anônimo disse...

Boa tarde frei. Achei muito interessante, bem explicativo e prudente seu texto sobre exorcismo. Depois de analisarmos bem a situação nos aspectos necessários e chegarmos à conclusao que a pessoa precisa mesmo de exorcismo, onde procurar? quem faz?

rogerio disse...

sou padre da igreja católica e quero ser exorcista, quais são os procedimentos para fazer o pedido ao bispo local.

Anônimo disse...

Olá Frei,
Gostaria de saber quais as diferenças entre as vestes de um padre comum ou um padre exorcista.
Obrigada e que a paz esteja ao seu lado!

Unknown disse...

Preciso de ajuda!!!!
Já procurei centros espíritas para minha mãe e nada adianta,igreja evangélica e a igreja católica já que somos cristãos preciso de ajuda minha mãe fala coisas fora do comum e agora tá pior se manifestou falou que não vai sair do corpo da minha mãe e que veio pra acabar com tudo e destruir a vida de todos isso já vem se alastrando por anos medicos não conseguem resolver só dão tarja preta e eu não sei mais oque fazer preciso de ajuda moro em Florianópolis e aqui não tem padre exorcista me ajudem

Tamires-de-sousa@hotmail.com

Anônimo disse...

Preciso de ajuda!!!!
Tenho uma prima que sofre com isso, minha tia ja levou em centros espíritas,igreja evangélica e a igreja católica já que somos cristãos preciso de ajuda minha prima fala coisas fora do comum e cada dia fica pior, mais agressivo....vem se alastrando por anos medicos não conseguem resolver só dão tarja preta e eu não sabemos mais oque fazer, precisamos de ajuda. Ela mora em Criciuma e aqui não tem padre exorcista me ajudem

luciane_bc@hotmail.com